CineLab
Laboratório de
Cinema e Filosofia

O CineLab dedica-se ao pensamento filosófico da imagem em movimento, nas suas dimensões estética, epistemológica, política e ética. Propõe-se gerar um diálogo produtivo entre o pensamento filosófico e a prática fílmica. O seu principal objetivo é contribuir para a criação de uma plataforma comum e profícua onde filósofos e realizadores se possam encontrar para, em conjunto, desenvolverem novas perspetivas sobre o Cinema, com particular enfoque nos aspetos éticos ligados à responsabilidade social.

 

O principal trabalho do CineLab consiste na reflexão crítica acerca do modo como os valores são transmitidos, problematizados ou desconstruídos no Cinema. A questão dos valores, central para a orientação teórica do IFILNOVA, é abordada através de 1) um estudo da forma como os valores se encontram representados em práticas fílmicas e/ou de 2) um trabalho de análise de objectos fílmicos , tomados enquanto “máquinas de pensamento”, capazes de produzir os seus próprios valores.

A equipa de investigação está particularmente atenta às várias formas através das quais os filmes podem “expressar” filosofia, bem como à maneira como a filosofia pode ser usada quer como uma componente determinante em novas configurações cinematográficas, quer como uma ferramenta que permite fazer filmes mais relevantes e mais conscientes das suas implicações históricas e universais.

 

O CineLab desenvolve um Seminário de Investigação Permanente, Workshops, Dias de Estudo e uma Conferência Anual. Organiza regularmente mostras de filmes e debates abertos ao público em geral, investigadores e estudantes, e está profundamente envolvido como o Doutoramento em Estudos Artísticos.

 

Linhas temáticas de especial interesse:

 

a) Epistemologia: a questão da verdade e da sua legitimação no cinema.
b) Ética: questões relacionadas com a representação do Outro nos filmes e o problema dos Direitos Humanos.
c) Estética: questão da força estética específica do cinema e a sua relação com as outras artes.
d) Ecologia: questão da responsabilidade face à natureza e o problema da separação entre natureza e cultura.